Posts

Geração solar deverá ter custo 50% menor até 2020, aponta Irena

Relatório divulgado na 8a. assembleia da associação reporta queda de preços das renováveis ao ponto de serem competitivas quando comparadas ao combustível fóssil

O custo de geração de energia eólica terrestre caiu cerca de um quarto desde 2010 e os custos de energia solar fotovoltaica caíram 73% nesse período, de acordo com a análise da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA, na sigla em inglês). O relatório, divulgado nesta segunda-feira, 15 de janeiro, também destaca que os custos da energia solar deverão diminuir ainda mais, caindo pela metade até 2020.

Segundo estimativas da entidade, os melhores projetos de energia solar e eólica terrestre poderiam estar fornecendo eletricidade por um equivalente a 3 centavos de dólar por quilowatt-hora (kWh) no próximo dois anos, ou até menos. Essa perspectiva tem como base os recentes resultados de leilões, o que sugere a possibilidade de projetos futuros reduzindo significativamente as médias atuais. Os custos médios ponderados globais nos últimos 12 meses para a energia solar e a energia eólica terrestre estão em US$ 0,06 e US$ 0,10 centavos por kWh respectivamente.

O relatório destaca que a energia eólica terrestre agora é rotineiramente encomendada por US$ 0,04 por kWh. O atual espectro de custos para a geração de energia de combustíveis fósseis varia de US$ 0,05 e US$ 0,17 por kWh.

Na avaliação de Adnan Z. Amin, diretor geral da entidade, esta nova dinâmica sinaliza uma mudança significativa no paradigma energético. E ainda, que esses declínios de custos em todas as tecnologias são sem precedentes e representativos do grau em que as energias renováveis ​​estão revolucionando o sistema energético global.

O relatório, intitulado “Custos de geração de energia renovável em 2017” foi lançado no primeiro dia da 8ª Assembleia da Irena em Abu Dhabi. Há o destaque de que outras formas de geração de energia renovável, como os projetos de bioenergia, geotérmica e hidrelétrica nos últimos 12 meses, competiram nos custos com a energia gerada a partir de combustíveis fósseis.

As práticas competitivas de aquisição, juntamente com o surgimento de uma grande base de desenvolvedores experientes de projetos de médio a grande concorrentes para oportunidades de mercado global, são citados como novos fatores de redução de custos recentes, além de avanços tecnológicos contínuos.

O relatório também destaca que os resultados de leilões de energia indicam que os projetos de energia eólica offshore e energia solar concentrados no período entre 2020 e 2022 custarão na faixa de US$ 0,06 a US$ 0,10 por kWh, apoiando a implantação acelerada globalmente. A  Irena projeta ainda que todas as tecnologias de energia renovável competirão com os fósseis no preço até 2020.

 

Fonte: Canal Energia

 

Energias renováveis podem custar 59% menos até 2025, diz estudo

Os custos médios da eletricidade gerada a partir de fontes eólica e solar poderiam cair de 26 a 50% em apenas nove anos, segundo relatório da Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA). O estudo “O Poder para Mudar: Redução de custo potencial para Solar e Eólica até 2025” mostra que, com o desenvolvimento de políticas e incentivos corretos, o potencial da energia renovável é enorme.

A estimativa é de que, até 2025, os custos da energia solar possam cair até 59%, enquanto a energia eólica offshore pode ser 35% mais barata e a eólica onshore 26%, se comparado aos preços da produção em 2015. De acordo com o estudo, em 2025 essas fontes renováveis deverão custar entre cinco e seis centavos de dólar o quilowatt/hora.

“Nós já vimos reduções de custos expressivas na energia solar e eólica nos últimos anos e este relatório mostra que os preços vão continuar a cair, graças às diferentes tecnologias e comerciantes”, explicou o diretor-geral da IRENA, Adnan Z. Amin. “Dado que a energia solar e eólica já são as opções mais baratas para os novos modelos de produção em muitos mercados, essa nova redução de custos vai ampliar essa tendência e fortalecer o negócio, deixando-o mais atraente e competitivo em relação aos combustíveis fósseis”, completou.

A agência informa que, desde 2009 os preços de módulos fotovoltaicos e as turbinas eólicas já caíram 80% e 40% respectivamente. No entanto, para que a tendência continue, é preciso mudar também os custos de todo o sistema, o que inclui inversores, conexões às redes, inovações tecnológicas, custos com manutenção e obras, até da gestão dos projetos. Para que esse processo todo aconteça, são necessárias mudanças nas políticas públicas.

“Historicamente o custo tem sido citado como uma das principais barreiras para a mudança de fontes de energias fósseis para as renováveis, mas narrativa mudou. Para continuar a conduzir a transição energética, devemos mudar agora o foco de política para áreas de apoio que irão resultar em declínios ainda maiores nos custos, maximizando as oportunidades econômicas”, conclui Amin.

Clique aqui para acessar o estudo completo.

Fonte: Mercado.etc