Foto: Sipetro/RN

Recuperação da produção de petróleo em campos terrestres em debate no RN

O I Seminário Estratégico “Terras de Petróleo”, lotou o auditório da Fecomércio-RN na tarde desta sexta-feira, 19 de maio, e reuniu representantes do governo, lideranças sindicais e empresários do setor para discutir a atual situação da atividade na Bacia Potiguar. Na década de 90, a Bacia Potiguar, que engloba campos de produção de petróleo no RN e Ceará, chegou a produzir mais de 100 mil barris de petróleo por dia em sua parte terrestre. Hoje a produção oscila hoje entre 60 e 70 mil barris diários.

O durante a solenidade de abertura do evento, o presidente do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (CERNE), Jean Paul Prates, destacou que esta é a primeira vez que estão juntos na mesma mesa de discussão empresários e trabalhadores do setor de petróleo. Prates também destacou que “é importante esclarecer que a atividade não morreu, apenas precisa de uma revitalização”, afirmou.

Secretário de Estadual do Desenvolvimento Econômico do RN, Flávio Azevêdo. (Foto: Sipetro/RN)

Secretário de Estadual do Desenvolvimento Econômico do RN, Flávio Azevêdo: “Produção de petróleo movimenta economia no Estado”. (Foto: Sipetro/RN)

O secretário de Estadual do Desenvolvimento Econômico do RN, Flávio Azevedo, destacou que, apesar da atual situação, a exploração de petróleo é uma atividade que ainda movimenta uma grande parcela da economia do Estado. “É importante para o RN, para pequenos e grandes produtores. Toda discussão que possa resultar em benefícios e que promova a geração de emprego e renda é bem-vinda”.

Destacando a importância de retomar a atividade, a senadora Fátima Bezerra marcou presença na abertura do evento. “É um tema de grande relevância econômica e social. Como presidente da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo no Senado, me coloco à disposição para levar esta discussão ao Congresso Nacional”, afirmou a senadora.

O senador Garibaldi Alves Filho prestigiou o evento e também se colocou à disposição para ajudar nas discussões sobre os rumos do setor no Estado. “Quero ouvir dos especialistas no assunto sobre o que nós, da classe política, podemos fazer para contribuir nesta retomada da atividade na Bacia Potiguar”.

O presidente do Sindicato das Empresas de Petróleo e Gás do Rio Grande do Norte (SIPETRO/RN), Fernando Lucena Soares, disse que Mossoró, situada na região Oeste Potiguar, já foi a quarta cidade que mais produziu petróleo no Brasil e, atualmente, vem sofrendo com a desativação gradual dos campos de petróleo. “Esse é o pontapé inicial para movimentar o setor novamente e não há duvidas que é fundamental a retomada da atividade de produção e extração de petróleo em terra para a economia do Estado”.

Senador Garibaldi Alves Filho. (Foto: Sipetro/RN)

Senador Garibaldi Alves Filho. (Foto: Sipetro/RN)

A cadeia produtiva foi um dos pontos abordados pelo representante da Redepetro/RN, Gutemberg Dias. “É preciso que as entidades governamentais olhem com mais atenção para o setor de petróleo e gás no Rio Grande do Norte, pois o estado continua com grande potencial, principalmente nos segmentos que abrangem fornecedores e distribuição”, ressaltou Dias.

O coordenador-geral do Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Norte, José Antônio de Araújo, fala agora no seminário que discute a recuperação da Atividade do petróleo em terra no Estado. “A indústria do petróleo responde por mais da metade do PIB do Estado.”

O representante dos trabalhadores também criticou o plano de desinvestimentos da Petrobrás e destacou a importância de iniciativas para se discutir a retomada da atividade e a revitalização dos campos de extração e produção de petróleo no RN.

De acordo com secretário-executivo da Associação Brasileira de Produtores Independentes de Petróleo e Gás Natural (ABPIP), Anabal dos Santos Júnior, o Brasil passou a seguir uma tendência mundial quando abriu os campos maduros para negociação com empresas privadas.  “Os processos vão ter operadores compatíveis com o porte daquele negócio. Nós estamos construindo esse modelo aqui. Empresas grandes exploram campos grandes e empresas menores, campos menores”, disse ele.

Também participaram do Seminário o coordenador-geral da Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis do Ministério das Minas e Energia, Clayton de Souza Pontes; o coordenador de Áreas Terrestres da Agência Nacional de Petróleo, José Fernandes de Freitas; representantes da UFRN, IFRN e Sebrae, além de outras entidades e empresários interessados na atividade.

Foto: Sipetro/RN

Foto: Sipetro/RN

REATE

O REATE é uma iniciativa da Secretaria de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, que está mobilizando entes públicos, lideranças empresariais e de trabalhadores da indústria para discutir e implementar medidas que ajudem o processo de revitalização da atividade petrolífera em terra.

Bacia Potiguar

A Bacia Potiguar, que também inclui uma parte marítima, é uma bacia sedimentar brasileira localizada ao longo da costa do estado do Rio Grande do Norte e extremo-oeste do estado do Ceará. Possui uma área de 119.030 mil quilômetros quadrados, sendo 33.200 km2 emersa e 86.100 km² submersa.

O início da exploração petrolífera dessa bacia se deu em 1952 em terra (com a primeira descoberta no campo de Mossoró em 1979) e 1972 no mar (com a primeira descoberta no campo de Ubarana em 1973). Atualmente ainda existem mais de 3.800 mil poços produtores de petróleo e gás no Rio Grande do Norte e no Ceará.

Fonte: Sipetro/RN

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *