Produção acumulada de biodiesel no Brasil atinge 1.887 mil m³ em junho

A produção acumulada de biodiesel, em junho de 2016, atingiu 1.887 mil m³, contra 1.931 mil m³ no mesmo período do anterior. Representa uma retração de 2,3%. Já o volume registrado do combustível em junho foi de 315 m³, registro superior ao mês de maio, quando foi computado 309 m³. Os dados constam na edição nº 101 do Boletim dos Combustíveis Renováveis, publicação elaborada pelo Ministério de Minas e Energia (MME).

A capacidade instalada autorizada a operar comercialmente em junho de 2016 ficou em 7.123 mil m³/ano, o que corresponde a 594 mil m³/mês. Desse total, 91% são referentes às empresas detentoras do Selo Combustível Social. Em junho, 48 unidades aptas legalmente a operar com uma capacidade média instalada de 148 mil m³/ano.

A região Centro-Oeste liderou a produção de biodiesel no cenário nacional, com a participação de 40%. Já a região sul foi responsável por 38% da produção brasileira, seguida pelo sudeste, com 12%. As regiões nordeste e norte representaram, respectivamente, 7% e 3% da soma.

Com relação às matérias-primas utilizadas na produção de biodiesel, no acumulado até o mês de maio, a participação das três principais matérias-primas foi de 77,5% soja, 16,8% gordura bovina e 1,1% algodão.

Produção de etanol

No terceiro mês da safra 2016/17, a produção de etanol foi de 3,1 bilhões de litros, redução de 1,6% em relação à produção do ano anterior. A produção de anidro foi de 1,3 bilhão de litros, redução de 4% em relação à safra anterior. Já a produção de hidratado foi de 1,8 bilhão de litros. Em junho, o consumo de etanol foi de 2,2 bilhões de litros, sendo 0,9 bilhão de litros de anidro e 1,3 bilhão de litros de hidratado. Em 2016, já foram consumidos 10,5 bilhões de litros de etanol. Os números referentes ao etanol  são do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Fonte: Canal da Bioenergia | Ministério das Minas e Energia

1 responder
  1. Rogerio Festa
    Rogerio Festa says:

    O êxodo rural está mais presente do que nunca em nossas vidas, a família rural, foi embora do campo e isso é um fato no mundo todo deste o engano da revolução industrial.
    Hoje o grande desfio de hoje é o combate ao êxodo rural e a volta das famílias ao campo, por meios do incentivo à produção rural e formar o maior número de agricultores familiares.
    O único problema é que o homem depois de experimentar a vida na cidade não quer mais como sua única e fiel amiga a enxada.
    Com o acesso a informação o novo agricultor familiar quer os mesmos benefícios dos grandes latifundiários sendo estes a tecnologia e o conhecimento ao seu lado e não somente a enxada e o financiamento do Plantio colocando em risco suas terras, ano após ano, colheita aos colheita.
    Com nova visão o Fazendeiro Rogerio Festa, da FAZENDA PROAGRO ( http://fazendaproagro.com.br ), acredita que o agricultor moderno na agricultura familiar não quer mais a enxada como parceira e sim um engenheiro agrônomo, para que juntos possam extrair o máximo da terra o melhor custo benefício, com maiores rendimentos de maneira orgânica e consciente.
    “Somos a geração saúde e podemos fazer a diferença e trazer o homem de volta ao campo de maneira digna e moderna com internet e acesso a informação, com o apoio de tecnologia o cultivo protegido com agricultura orgânica e sintropia da natureza ” Rogerio Festa.
    Na cidade de Almería na Espanha, onde tudo é cultivado em estufas, conseguimos o suporte técnico para trazer ao Brasil o melhor do agronegócios em cultivo protegido do planeta.
    A Fazenda Proagro é o mundo dos agronegócios para o pequeno agricultor, hoje somos 531 famílias no campo, amanhã seremos 5 milhões, o mundo dos agronegócios ao alcance de todos.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *