Leilão A-5 encerra sem contratar eólicas

Aumento do nível dos reservatórios hídricos e queda no consumo de energia elétrica foram os principais fatores apontados como motivadores do fraco resultado para a eólica.

CERNE Press

O leilão de energia A-5 realizado na sexta-feira (29) fechou um total de 201,8 MW médios de energia e contratou 278,5 MW em capacidade instalada, ou 158,1 megawatts médios em garantia física. O preço médio geral do certame ficou em R$ 198,59 por MWh.

A UHE Santa Branca (PR, 62 MW), única cadastrada na disputa, foi negociada ao preço de R$ 150/MWh. Foram contratadas 21 pequenas hidrelétricas, a maior fonte em volume de empreendimentos do certame, com o preço médio em R$ 175,80/MWh.

Já nos produtos por disponibilidade, a fonte biomassa negociou sete empreendimentos e 815 lotes de 0,1 MW médio contratados ao preço médio de R$ 235,95/MWh.  Ainda foi viabilizada uma térmica a gás natural com ciclo combinado de 5,54 MW de capacidade instalada com o preço venda no teto de R$ 258/MWh. A fonte eólica não negociou projetos.

Segundo o diretor-técnico da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEolica), Sandro Yamamoto, um dos motivos que justificam o resultado das eólicas no leilão foi a redução do consumo de energia elétrica. “Somado a isso, as últimas chuvas aumentaram o nível dos reservatórios e também a produção de energia a partir de outras fontes renováveis”, explica Yamamoto. Tais fatos podem ser comprovados com a aplicação da bandeira verde na cobrança da energia, já prevista para o final de abril.

Outra observação apontada pelo diretor da ABEEolica é o fato de que a fonte eólica foi a última prioridade de contratação do certame, seguindo a política de manter a diversidade regional e de fontes na matriz energética.

De acordo com o Coordenador de Gestão de Dados e Estatísticas Setoriais do CERNE, João Agra, ainda há chance para maior participação da fonte eólica no 2º Leilão de Energia de Reserva (A-5), previsto para o dia 28 de outubro. “Será mais competitivo porque terá a participação das empresas que se programaram para concorrer nesse leilão com a adição das empresas que não foram vitoriosas no leilão realizado hoje”, finaliza Agra.

As principais compradoras no leilão desta sexta foram as distribuidoras Amazonas Energia, da Eletrobras, Celesc e Copel, que juntas responderam por mais de 70% da demanda. As demais compradoras foram Boa Vista Energia, Ceal e Cepisa, todas da Eletrobras, além da Empresa Luz e Força Santa Maria (ELFSM).

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *