Institucional

O primeiro think-tank do Nordeste

O CERNE – Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia – é um “think tank” voltado para a concepção, discussão e implementação de estratégias públicas e privadas relativas ao aproveitamento sustentável dos recursos naturais e energéticos do Nordeste Setentrional do Brasil.

Sua missão é promover a articulação com as diversas instâncias institucionais, acadêmicas, científicas, empresariais e governamentais relacionadas com a exploração sócio-econômica, conservação, planejamento e desenvolvimento dos recursos naturais e fontes energéticas através da otimização, eficientização e, sobretudo, sustentabilidade das atividades a elas pertinentes, de forma a assegurar sua boa utilização no presente, em benefício das gerações futuras.

A atuação do CERNE se dá pelo acompanhamento (informação) e apoio (inteligência) às atividades relativas à cadeia produtiva e comercial de recursos naturais (águas, minérios, solos e clima) e fontes energéticas (tanto convencionais quanto renováveis) e a projetos estruturais multisetoriais (infra-estrutura, logística, capacitação etc.) para a consolidação sustentável destas atividades de forma a gerar e compartilhar resultados por meio de projetos sociais e açõespolitica e ambientalmente sustentáveis.

O CERNE é sustentado por grupos empresariais nacionais e internacionais, diretamente ou por meio de suas subsidiárias regionais. Os membros mantenedores do CERNE subdividem-se em duas categorias: a) Empreendedores (empresas com atuação direta ou indireta nos setores econômicos cobertos pelo CERNE); b) e Fornecedores (que prestam serviços e dedicam expertise técnica e especializada aos Operadores).

MISSÃO

Promover a articulação e a integração das diferentes instâncias institucionais, acadêmicas, científicas, empresariais e governamentais relacionadas com a exploração sócio-econômica, preservação, planejamento e desenvolvimento dos recursos naturais e fontes energéticas com vistas à otimização, eficientização e, sobretudo, sustentabilidade das atividades a elas pertinentes, de forma a assegurar sua boa utilização no presente e em benefício das gerações futuras.

ATUAÇÃO

Acompanhamento (informação) e apoio (inteligência) às atividades relativas à cadeia produtiva e comercial de recursos naturais (águas, minérios, solos e clima) e energéticos (petróleo, gás natural, biocombustíveis e fontes renováveis) e a projetos estruturais multisetoriais (infra-estrutura, logística etc.) de importância estratégica para a consolidação sustentável destas atividades bem como a captação e participação de organismos e investidores nacionais e internacionais.

PRINCÍPIOS

  • Proatividade, agilidade, transparência e onipresença.
  • Comprometimento com o resultado e o sucesso de nossos mantenedores.
  • Entender suas necessidades, trabalhar para gerar maior valor e superar suas expectativas.
  • Conectar pessoas.
  • Criar o novo.
  • Zelar na precisão de informações, para dentro e para fora.
  • A melhoria contínua, a cultura da excelência e o foco nos objetivos dos nossos mantenedores.

Objetivo

Ser um parceiro dos setores privado e público na busca por soluções objetivas e pragmáticas sobre os diversos desafios dos atores econômicos relacionados com o aproveitamento sustentável dos recursos naturais e da energia, permitindo que os diferentes participantes possam melhor se posicionar dentro do contexto dinâmico destes setores.

Atividades

O CERNE trabalha com projetos sob medida, que visam ampliar a inserção econômica do Rio Grande do Norte e do Nordeste no Brasil e no mundo e promover o desenvolvimento socioeconômico destas regiões por meio de massa crítica e reflexão sobre os rumos do setor de recursos naturais e energia, nacional e internacional.

Atividades do CERNE

I. Constituir-se no principal pólo de integração entre as empresas, universidades e centros de pesquisa, visando ao fortalecimento e melhoria da atratividade e viabilidade dos projetos e investimentos relacionados com recursos naturais e energéticos assim como a competitividade da indústria de bens e serviços a eles relacionada, estabelecidos no Rio Grande do Norte e na Região Nordeste do Brasil.

II. Acompanhar a evolução tecnológica e regulatória bem como as tendências dos setores industriais, financeiros e operacionais relacionados com os recursos naturais e energéticos do Rio Grande do Norte e da Região Nordeste, em função da reorganização dos mesmos no Brasil e no mundo, e disponibilizar estas informações para todos os seus Membros

III. Criar e manter atualizado um sistema de informação constituído de bases de dados sobre projetos e operações em curso nestas áreas, que atenda ao setor industrial, aos organismos governamentais, às agências de fomento e a centros tecnológicos e universitários.

IV. Apoiar as iniciativas de pesquisa e desenvolvimento de novas técnicas e/ou tecnologias de projeto, materiais, equipamentos e produtos, metodologias e métodos de análise, valoração e teste/ensaios para o aproveitamento sustentável de recursos naturais e energéticos, com a participação de empresas, instituições de pesquisa e universidades, visando a sua transferência e/ou utilização;

V. Desenvolver programas sociais, ambientais, educacionais, científicos, tecnológicos, culturais, esportivos, de lazer e saúde pública e de mobilização por investimentos públicos e privados que realizem a promoção do progresso e sustentabilidade em cada uma das respectivas áreas de atuação dos entes relacionados com recursos naturais e energia;

VI. Conceber, elaborar e executar projetos, bem como desenvolver estudos técnicos e pesquisas relacionadas à sua Missão e assessorar tecnicamente quem atua ou tem pesquisas nas suas áreas de competência tecnológica;

VII. Motivar e promover a criação de novos projetos e novas empresas com base tecnológica e gerencial voltada para o aproveitamento sustentável de recursos naturais e energéticos.

VIII. Promover cursos, palestras, simpósios, seminários, congressos, encontros, e outros eventos relacionados com a promoção e implementação da sua Missão;

IX. Promover a criação de cooperativas, associações e núcleos comunitários, e participar da instalação e funcionamento de campanhas, programas educacionais ou informativos, publicações e veículos de mídia ou outros canais que sirvam à conscientização, mobilização, informação ou capacitação, de forma a aprimorar e acelerar as ações relacionadas com a sua Missão;

X. Desenvolver e participar de cursos profissionalizantes e técnicos buscando treinar, capacitar e certificar trabalhadores, usuários e empreendedores para sua consciente e correta inserção no mercado de trabalho e ambiente operacional dos setores relacionados aos recursos naturais e energia;

Com vistas a efetivar os objetivos enumerados e, captar recursos para a consecução dos seus objetivos, poderá o CERNE:

  • a) Celebrar contratos e convênios junto aos poderes públicos municipais, estaduais e da União Federal; Executivo (da administração publica direta e indireta, empresas públicas, sociedade de economia mista), Legislativo e Judiciário; bem como, junto aos poderes públicos na esfera internacional – ressalvados os seus objetivos;
  • b) Firmar parcerias junto a outras organizações não governamentais – ONG’s, nacionais e internacionais, relacionadas a suas áreas afins;
  • c) Receber doações de pessoas naturais ou jurídicas interessadas em investir em seus programas, projetos e pesquisas.
  • d) Prestar serviços de natureza consultiva, remunerados ou não, a entidades relacionadas com os setores de recursos naturais e energia, ressalvada a pertinência com a sua Missão.

organograma

Participantes

O CERNE é sustentado por grupos empresariais nacionais e internacionais, diretamente ou por meio de suas subsidiárias regionais. Os membros mantenedores do CERNE subdividem-se em duas categorias:
a) Empreendedores (empresas com atuação direta ou indireta nos setores econômicos cobertos pelo CERNE);
b) e Fornecedores (que prestam serviços e dedicam expertise técnica e especializada aos Operadores).

Filiação

Para aplicar à filiação ao CERNE, a empresa preenche o TERMO DE ADESÃO PADRÃO, enviando ao CERNE, fisicamente, aos cuidados do Secretário Geral, juntamente com a cópia autenticada dos seus atos constitutivos consolidados e a documentação pessoal autenticada (RG e CPF) dos seus representantes legais.

Em seguida, será dado conhecimento prévio à empresa dos seguintes documentos associativos, para fins de aprovação interna:

  • 1) Ata da Assembléia de Fundação do CERNE devidamente registrada;
  • 2) Estatuto Social do CERNE consolidado;
  • 3) Todas as Ata da Assembléia Geral Extraordinária assinadas pelos membros fundadores disciplinando questões gerais.

Para cada empresa a taxa de adesão é de R$ 1.700,00 (hum mil e setecentos reais), a ser paga de uma única vez, devendo seu pagamento ser realizado por cada empresa signatária até 05 (cinco) dias da assinatura do Termo de Adesão, por meio de cobrança via boleto.

Em seguida, trimestralmente ter-se-á a efetivação da contribuição da empresa com o CERNE, de forma antecipada ao trimestre referência vindouro, no valor conforme a categoria de Membro Operador ou Membro Fornecedor em que a empresa for enquadrada.

Por que filiar-se ao CERNE?

Porque o trabalho do CERNE é concentrado geograficamente, e intersetorial quanto às suas bandeiras e projetos. No CERNE, o foco é a região Nordeste Setentrional: centrada em Natal/RN, expandindo-se numa direção até PB e PE, e noutra até CE e PI. Reconhecendo e trabalhando diretamente com as peculiaridades locais, setores tão variados e relevantes quanto os de energias renováveis, mineração e sal, petróleo e gás, aquicultura, agropecuária e urbanismo sustentáveis, mineração e outros se reúnem em torno de bandeiras comuns com força institucional e capacidade técnica para fazer as coisas acontecerem de verdade: cooperando com governos de todos os níveis, parlamentares, movimentos sociais, lideranças empresariais e sociais locais, especialistas e acadêmicos. As entidades setoriais nacionais normalmente se tornam parceiras do CERNE através de convênios não-onerosos, podendo atuar conjuntamente em causas de interesse específico. É o caso, por exemplo, do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (IBP), entre outros.