202988

Eólicas investirão R$ 1,8 bilhão em 12 projetos no Rio Grande do Norte

O Rio Grande do Norte foi o segundo estado com o maior número de projetos contratados no leilão de energias renováveis realizado nesta quarta-feira, 20, pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e deverá receber investimentos de aproximadamente R$ 1,8 bilhão. Doze, dos 240 empreendimentos inscritos no certame foram arrematados e deverão entrar em operação em seis anos. Juntos, eles terão capacidade instalada para geração de energia eólica de 310,225 megawatts (MW). No total, foram ofertados 6.939 MW de energia.  O maior número de projetos foi arrematado por empresas instaladas no Piauí – 17 parques.

O Leilão de Geração nº 04/2017 movimentou, ao todo, R$ 108 bilhões em contratos, equivalentes a um montante de 572.518.389,600/MWh de energia. O preço médio ao final das negociações foi de R$ 189,45 por Mwh (megawatt hora), com deságio de 38,7% em relação aos preços-tetos estabelecidos, o que representou uma economia de R$ 68,5 bilhões para os consumidores de energia.

202988
O Diretor da ANEEL, Reive Barros, destacou que o resultado foi bastante satisfatório e que há um grande interesse dos investidores no setor elétrico. Além disso, enfatizou que a ANEEL acompanhará de perto o cumprimento dos contratos. “É importante que as empresas entreguem no prazo e com a qualidade desejada. Queremos evitar ao máximo a revogação de concessões que não entregaram no prazo estipulado”, reiterou.

Ao final das negociações, foram contratados 63 empreendimentos de geração, sendo 49 usinas eólicas (691,8 MW médios), seis Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs (71,3 MW médios), seis térmicas movidas a biomassa (102,6 MW médios) e duas térmicas a gás natural (1.870,9 MW médios), somando 2.736,6 MW médios de energia contratada. Ao todo, os projetos que foram contratados totalizam 2.930,9 MW médios de garantia física e as usinas deverão iniciar o fornecimento de energia elétrica a partir de 1º de janeiro de 2023.

O preço médio final do leilão para as PCH’s foi de R$ 219,20/MWh. No caso das usinas térmicas movida a biomassa, o preço médio foi de R$ 216,82/MWh, as térmicas a gás natural foram negociadas a um preço médio de R$ 213,46/MWh. Já para as usinas eólicas, o preço médio fechou em R$ 98,62/MWh.

Os estados com os empreendimentos contratados foram o Piauí (17 usinas), Rio Grande do Norte (12 usinas), Paraíba (9 usinas), Maranhão (4 usinas), Bahia (4 usinas), Pernambuco (3 usinas), São Paulo (3 usinas), Santa Catarina (2 usinas), Rio Grande do Sul (2 usinas), Rio de Janeiro (2 usinas), Minas Gerais (2 usinas), além de Mato Grosso, Paraná e Goiás com uma usina em cada estado.

Participaram do certame, como compradoras da energia negociada, 25 concessionárias de distribuição com destaque para a Cemig D (9,55% do total negociado), Coelba (9,1% do total) e Copel D (8,7% do total negociado). Os contratos são de 30 anos para as usinas hidrelétricas na modalidade por quantidade, 25 anos para as térmicas e 20 anos para as usinas eólicas. Os resultados completos estão disponíveis no site da CCEE.

Voltalia
O Rio Grande do Norte foi o único estado brasileiro gerador de energia eólica com projetos contemplados no leilão realizado na segunda-feira, 18, pela Aneel. A empresa francesa Voltalia, que recentemente inaugurou parques eólicos na região de São Miguel do Gostoso, no litoral Norte, arrematou dois projetos no certame. Eles garantirão, quando em operação integral, a geração de 64 megawatts (MW) de potência, com investimentos estimados em R$ 355 milhões nos próximos três anos.

Bate papo com Jean Paul Prates
Presidente do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (Cerne/RN). Confira a entrevista:

Qual sua análise em relação ao resultado do leilão de A-6?
A gente percebe, pelo resultado dos dois leilões combinados, em relação à eólica, especificamente, que os portfólios estavam cheios de projetos acumulados, em função do ano passado não ter tido leilão, anteriormente também. Dava para perceber que tinha muita coisa represada, muito megawatts foram habilitados, muito mais do que saiu. Foi um vestibular muito competitivo. Isso gerou um deságio, também, bastante grande, bastante acentuado. O pessoal lidando agressivamente. Agora, ficou claro que já é visível um potencial de concentração grande do mercado de empreendedores nos leilões mais competitivos. Só quem conseguiu colocar projeto foi quem já estava operando no mercado com instalações de grande porte. Não houve, praticamente, nenhum vitorioso desenvolvedor.

E em relação aos estados?
Eu considero que o Rio Grande do Norte, diante de todas as circunstâncias e de toda a questão que foi colocada em relação à limitação das linhas de transmissão, em função desse edital ter liberado essa limitação, colocando na responsabilidade do empreendedor o risco de, eventualmente, ele não poder se conectar, o Rio Grande do Norte saiu muito bem. Porque, eu acredito que os empreendedores que colocaram projetos aqui, eles tem confiança que o estado irás superar essa limitação ao longo dos próximos seis anos. Inclusive, a Voltalia apostou até mais. O RN, diante das condições que estavam colocadas para o leilão passado e para esse, ficou bem.

O Piauí é destaque, mas não chega a ser surpreendente. Muitos portfólios estavam sendo trabalhados. O RN veio logo em seguida. Uma boa surpresa foi a Paraíba, que finalmente colocou uma potência interessante. A decepção, parcialmente, foi a Bahia. Ela tinha a limitação de linha de transmissão no leilão anterior, mas não tinha neste. A Bahia tinha uma oferta enorme de megawatts, mas colocou pouco mais de 100.

Fonte: Tribuna do Norte | Ricardo Araújo

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *